quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

O CARNAVAL BRASILEIRO POLITIZOU


Desprezada pela Globo, com enredo e fantasias nota 10, Paraíso do Tuiuti é vice-campeã do Carnaval carioca




A Paraíso do Tuiuti foi vice-campeã do Carnaval do Rio, vencido pela Beija Flor.
Os dois enredos foram marcados pelo protesto.
Os jurados reconheceram: deram 4 notas 10 ao enredo da Paraíso do Tuiuti. Em fantasias, a escola também tirou nota máxima: foram 4 notas 10.
A escola de São Cristóvão foi à avenida falando sobre a escravidão e suas novas formas. Denunciou a reforma trabalhista.
No carro alegório Neo Tumbeiro, um vampiro com faixa presidencial estava no topo. Sob ele, mãos gigantes manipulando figurantes com a camisa da seleção brasileira, que batiam panelas.
Na ala precendente, os Manifestoches. Manifestantes que defenderam o impeachment de Dilma Rousseff financiados pela Fiesp, os famosos patos.
O desfile da Paraíso do Tuiuti causou frisson na Marquês de Sapucaí.
Para ler mais, clique aqui.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

UM CARNAVAL DE DESILUSÕES NO PAÍS INTEIRO

Designação gera frustração e ansiedade para trabalhadores da educação de MG

Foto: João Bittar/MEC

Governo anuncia processo seletivo para primeiro semestre de 2018 e sindicato pressiona para abertura de novas vagas.
Todo ano, milhares de trabalhadores disputam vagas na rede estadual de ensino de Minas Gerais. Eles participam do processo de designações, no qual cada candidato assina um contrato precário, de no máximo um ano, para preencher uma vaga para a qual não tem servidor efetivo. Para trabalhadores, isso gera insegurança, humilhação e ansiedade, além de prejudicar a continuidade do processo pedagógico. A alternativa, segundo o sindicato, é fazer mais concursos públicos e dar posse a quem já foi aprovado em concursos anteriores.
Para ler na íntegra a matéria de Wallace Oliveira, com edição de Joana Tavares, para o Brasil de Fato, clique aqui.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

O JUDICIÁRIO E FHC

Gustavo Conde: É tentador dizer que FHC estava certo sobre o Judiciário


Quando essa geração de magistrados prestou concurso público, eles já sonhavam com os auxílios-moradias que lhes recheiam, agora, os bolsos e as contas bancárias.
Era o objetivo: cargo vitalício, imunidade, bônus variados, super salários e, acima de tudo, poder.
O judiciário brasileiro é essa bolha de privilégios.
​É um judiciário que aceita o mais violento e desumano sistema carcerário do mundo.
De quem é a responsabilidade conceitual pelo nosso sistema carcerário, afinal? Não é do poder judiciário?
O judiciário brasileiro é um judiciário que é conivente com um sem-número de violências.
Com genocídios de índios — em curso neste exato momento.
Com massacres em presídios.
Com o país que mais mata homossexuais no mundo, com o maior volume de casos de feminicídios no planeta, com os altíssimos índices de casos de racismo, com o trânsito veicular mais violento do história, enfim, com tudo de pior que se puder imaginar no cenário estatístico dos horrores.
Não bastasse a lista acima ainda há mais: doenças do século 19 aflorando em plenas zonas urbanas, ausência total de competência para gerenciamento de crises humanitárias, corrupção escancarada em nomeações absurdas para ministérios.
Como levar a sério um judiciário de um país assim?
Como levar a sério um judiciário que, com toda esse cenário de guerra, ainda goza dos salários mais altos do mundo, mais altos até mesmo que o salários dos juízes americanos?
O judiciário é, por assim dizer, o grande nó da nossa sociedade.
Afinal, não eram os políticos a nossa chaga endêmica e atávica: eram os magistrados, a elite da elite da elite.
Políticos ainda se submetem ao voto popular.
Magistrado praticamente compra sua vaga no ministério público, decorando leis e regras gramaticais como um robô destituído de alma para ser aprovado no concurso — e se não for aprovado, entra com recurso.
Para continuar lendo a matéria de Gustavo Conde para o site Viomundo, clique aqui.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

FEBRE AMARELA



A doença da irresponsabilidade

Eugênio Magno

África, América Central e América do Sul, incluindo o Brasil, são consideradas áreas com grande potencial de infecção da febre amarela, em razão da concentração de vetores e reservatórios responsáveis pela manutenção do ciclo silvestre.
A febre amarela é uma doença endêmica, gravíssima, que pode evoluir dos primeiros sintomas a lesões no fígado e insuficiência renal até o óbito. Seus sintomas iniciais incluem febre, calafrios, perda de apetite, náuseas, vômito, dores de cabeça e dores musculares. Somente os médicos são capazes de diagnosticar e tratar a doença. E o seu combate é feito por meio da vacinação, procedimento que garante a imunização da população.
O preocupante é o grande número de vítimas fatais da febre amarela no Brasil. No momento em que escrevia este artigo fiz uma busca no Google, Ministério da Saúde e em vários veículos de comunicação e só encontrei números desatualizados. Os órgãos de saúde do país também estão muito cautelosos na divulgação da quantidade exata de mortos e infectados pela doença para que a população não entre em pânico. Especialmente por conta do que parece ser a falta de estoque suficiente da vacina para imunizar toda a população, principalmente os moradores das áreas de risco que, segundo informações do Ministério da Saúde são: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Maranhão, Piauí, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Além das áreas de risco, com recomendação de vacinação, também está sendo vacinada a população do Espírito Santo.
Seguindo orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina no Brasil é tomada em dose única. Mas em São Paulo e no Rio de Janeiro, entretanto, por conta do baixo estoque, a vacina está sendo fracionada para que seja possível uma oferta maior, com a cobertura da totalidade dos municípios desses Estados.
Os números encontrados na breve pesquisa que realizei pela internet são de 22 óbitos, no Rio de Janeiro, 21 em São Paulo e 25 em Minas Gerais, o que totaliza 68 mortes divulgadas oficialmente somente nesses três Estados brasileiros. Estima-se, todavia, que o número de casos de febre amarela em todo o país esteja em torno 1.000 e que mais de 200 pessoas já tenham morrido vítimas da doença. Isso, em pleno Século XXI, no país do cientista, médico e bacteriologista Oswaldo Cruz que na primeira metade do século passado já havia erradicado do Brasil essa doença terrível.

É de causar vergonha o fato de as autoridades brasileiras só agora – com a febre amarela atingindo níveis preocupantes –, tomarem medidas mais abrangentes e efetivas no combate à doença. Ainda assim, é grande o número de brasileiros que não tomaram a vacina.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

DEMOCRACIA NO BRASIL ROLANDO LADEIRA À BAIXO


'Se o Judiciário seguir como ator político, 

vejo um futuro tenebroso'





A confirmação da condenação de Lula pelo TRF da 4ª Região representa a censura a um projeto democrático, por um Judiciário cada vez mais empenhado em fazer política.
A análise é do ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, integrante do Ministério Público Federal por três décadas. Ao rifar um candidato com mais de 40% das intenções de voto, indispensável para a articulação de uma saída negociada para o País, o risco de uma convulsão social torna-se cada vez maior.
Lula não é um candidato ideológico, é pragmático e programático. Seu objetivo é reduzir a pobreza no País, dar chances para a maioria dos brasileiros progredir. Para fazer isso, o ex-presidente sabe que precisa de alianças”, explica Aragão, defensor de um pacto nacional, não restrito ao Parlamento.
Mas ainda há espaço para uma política conciliatória? “Esse é o maior desafio. Se Lula não souber fazer isso, quem será capaz?”
Para ler na íntegra a entrevista concedida pelo ex-ministro, Eugênio Aragão, a Rodrigo Martins para Carta Capital, clique aqui.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

ALTERNATIVAS DE LUTA PELA DEMOCRACIA


“Julgamento de Lula serviu para acabar com as ilusões. A luta é na rua”, diz Lindbergh Farias 




Após o resultado do TRF 4 na tarde de quarta, dia 24, os ânimos estavam exaltados na Praça da República. A caminhada até a avenida Paulista havia sido proibida pelo prefeito.
Mas ninguém estava disposto a dar ouvidos ou conceder obediência. O comandante da polícia militar postou um cordão de soldados na avenida Ipiranga para impedir a marcha.
Na mesma avenida onde, um dia antes, o mesmo comandante havia impedido uma manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público – agindo com truculência e detenções de adolescentes – Guilherme Boulos não negociou: “Nós vamos passar”, e logo as cerca de 30 mil pessoas puseram-se a andar.
Imediatamente o cordão da PM se desfez, manso. Na rua da Consolação, o senador Lindbergh Farias,  fez um dos discursos mais contundentes ao lado de Lula. 
Confira a entrevista sobre a condenação do Lula que o senador Lindbergh Farias deu ao DCM, clicando aqui.

domingo, 21 de janeiro de 2018

JULGAMENTO DE LULA


Congressistas americanos clamam às autoridades brasileiras julgamento justo e imparcial de Lula



Congressistas americanos que assinam a mensagem, de cima para baixo, da esquerda para a direita): Mark Pocan, Keith Ellison, Ro Khanna, Frank Pallone Jr, Steve Cohen, Barbara Lee, Henry C Hank Johnson Jr, Raúl Grijalva, Karen Bass, Marcy Kaptur, Pramila Jaiapal e Jan Schakowsky. No pé da fotomontagem,  à esquerda, embaixador Sérgio Silva do Amaral. À direita, a presidente do STF,  ministra Cármen Lúcia, seguida dos colegas Celso de Mello e Marco Aurélio.

Na última sexta-feira (19/01), congressistas americanos pediram às autoridades  brasileiras que garantam que os direitos básicos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sejam totalmente protegidos, de acordo com as obrigações dos tratados internacionais — em particular,   seu direito a um tratamento justo, livre e imparcial perante a lei.
Eles ressaltam:
Estamos profundamente preocupados com as crescentes evidências de flagrantes violações dos direitos de Lula ao devido processo legal e com o que parece ser uma campanha de perseguição judicial politicamente motivada.
A mensagem na íntegra, em inglês e a sua tradução para o português foi enviada ao embaixador brasileiro nos EUA, Sérgio Silva do Amaral, e aos ministros do Supremo Tribunl Federal (STF). Para cessar a íntegra da matéria publicada no site Vi o Mundo, clique aqui.




terça-feira, 16 de janeiro de 2018

A HORA DE DIZER A VERDADE


Padre de Maringá volta a se manifestar: “devemos apoiar um Judiciário que não seja parcial”



Padre Leomar Antonio Montagna, de Maringá, cidade de Sergio Moro, voltou a usar o Facebook para explicar por que decidiu se manifestar sobre o o ato de apoio ao juiz, realizado por uma pequena parcela da população. “Quanto aos grupos de ideologias diferentes, penso que é um direito de todos se manifestarem, mas considero se quisermos ver a justiça florescer, esta não poderá ser partidária: investigar e julgar com todo rigor só um lado e absolver e nem sequer investigar o outro lado, senão as estruturas da corrupção continuarão proeminentes, seria como quebrar o termômetro para eliminar a febre”, escreveu. Ele disse que conversou com o bispo da cidade, para explicar suas razões. Algumas pessoas se sentiram ofendidas e reclamaram ao bispo, por conta da expressão que usou: “patos idiotas”.
“Usei uma linguagem coloquial, própria das redes sociais, jamais desmerecendo as pessoas que se manifestaram, me ative ao debate de ideias, usei a palavra mentalidade, isto é, discordo da mentalidade de como muitas pessoas encaram essas manifestações, mas não duvido das retas intenções de algumas pessoas que lá estiveram, neste sentido peço humildemente desculpas se ofendi alguém. O intuito é de sempre colaborar e somar forças para promover a justiça social. Dialoguei com meu bispo Dom Anuar Battisti, no sentido de seguir e ser sempre fiel às orientações da Igreja, mas que dentro do meu livre direito à manifestação, mantenho o meu pensamento de que devemos ser contra a qualquer tipo de corrupção, apoiar um judiciário que não seja parcial e lutar por cidadania e dignidade das pessoas.”
Abaixo, a nota do padre:
QUESTÕES POLÍTICAS
Quanto a postagem que fiz em 14/01/18, sobre as manifestações políticas em Maringá, devido à grande repercussão, venho aqui fazer alguns esclarecimentos:
1) O campo da Política partidária é próprio dos leigos. O altar do leigo são as realidades temporais, ali ele deve fazer Jesus acontecer, isto é, fazer acontecer os valores do reino pregado por Jesus: “Os fiéis leigos são ao mesmo tempo cristãos e cidadãos. São Igreja fazendo o mundo e são cidadãos do mundo que edificam a Igreja (Documento de Puebla, 786). Para todos os cristãos, é urgente buscar a união entre fé e vida, isto é, fidelidade a Cristo, tanto na vida quotidiana, quanto nas relações sociais e na participação política. Um dos erros mais graves de nosso tempo é a falta de coerência, ou seja, o divórcio entre fé e ação social-política dos cristãos: “Ao negligenciar os seus deveres temporais, o cristão negligencia os seus deveres para o próximo e o próprio Deus e coloca em perigo a sua salvação eterna” (Gaudium et Spes, 43).
2) Quanto aos grupos de ideologias diferentes, penso que é um direito de todos se manifestarem, mas considero se quisermos ver a justiça florescer, esta não poderá ser partidária: investigar e julgar com todo rigor só um lado e absolver e nem sequer investigar o outro lado, senão as estruturas da corrupção continuarão proeminentes, seria como quebrar o termômetro para eliminar a febre.
3) Política é exercer o poder em vista do bem comum, portanto, quem governa não pode governar para interesses particulares e muito menos praticar a corrupção. Se queremos um Brasil passado à limpo não podemos selecionar somente uma parte da denúncia contra a corrupção e nos calar diante de outros grupos e pessoas.
4) Sabemos que hoje há grupos políticos com enormes redes de computadores para fabricar falsos perfis (fakes) nas redes sociais, pagando algumas pessoas que administram e controlam esses fakes, então diante de algumas postagens que vão contra seus interesses, disparam enormes quantidade de mensagens para deturpar ou desmoralizar o conteúdo ou a pessoa que enviou tal conteúdo, assim dão a impressão que estão certos e possuem a verdade da situação.
5) Quanto ao post citado acima, usei uma linguagem coloquial, própria das redes sociais, jamais desmerecendo as pessoas que se manifestaram, me ative ao debate de ideias, usei a palavra mentalidade, isto é, discordo da mentalidade de como muitas pessoas encaram essas manifestações, mas não duvido das retas intenções de algumas pessoas que lá estiveram, neste sentido peço humildemente desculpas se ofendi alguém. O intuito é de sempre colaborar e somar forças para promover a justiça social. Dialoguei com meu bispo Dom Anuar Battisti, no sentido de seguir e ser sempre fiel às orientações da Igreja, mas que dentro do meu livre direito à manifestação, mantenho o meu pensamento de que devemos ser contra a qualquer tipo de corrupção, apoiar um judiciário que não seja parcial e lutar por cidadania e dignidade das pessoas.

Encerro este post dizendo que temos que nos mobilizar em vista de um projeto para o Brasil do futuro: “socialmente justo; economicamente forte; ambientalmente sustentável; democraticamente estável e eticamente respeitável”.
Que Deus nos ajude nestes objetivos e que com sua graça e sabedoria vençamos todo mal que nos aflige e assola nosso país.

Pe. Leomar Antonio Montagna
Maringá – PR

(Fonte: Site DCM)

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

GOVERNO CAI NA SUA PRÓPRIA CILADA

O teto de gastos dificulta o cumprimento da regra de ouro?


Entre anúncios e recuos, uma coisa é certa: as contas do governo não fecham. Na tentativa de contemplar um orçamento que cresce, uma arrecadação que patina e uma regra que congela os investimentos pelos próximos 20 anos, o governo ventila mudar um dos pilares da Lei de Responsabilidade Fiscal, a regra de ouro, que impede o governo de contrair dívidas para custear a máquina pública.
Na prática, o governo criou uma cilada para si mesmo: ao congelar o investimento, dificultou o cumprimento da regra de ouro. E o não cumprimento pode ser considerado crime de responsabilidade. 
Na quinta-feira 4, veio a notícia de que o governo estudava flexibilizar a regra de ouro. Estaria em gestação uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para suspender temporariamente punições, que incluem o impeachment, pelo não cumprimento da regra.
Pela PEC, seriam acionados automaticamente mecanismos de correção de rota, como proibição de criar novas despesas, contratar pessoal ou aumentar salários de servidores. Uma das propostas seria suspender a sanção até 2026, o mesmo intervalo de vigência do teto de gastos do governo.
Já na segunda 8 o governo recuou. No momento, a posição é essa: nada de mudanças. Segundo o Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer "não aceita que a regra de ouro seja suprimida" e o assunto não será tratado neste momento, em que o governo tenta aprovar a reforma da Previdência.
Para continuar lendo a matéria de Dimalice Nunes para o site Carta Capital, clique aqui.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

(DES)GOVERNO DE SÁDICOS


Nova ministra do Trabalho de Temer foi condenada em ação movida por motorista que trabalhava 15 horas por dia sem registro


A nova ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB), foi condenada em 2016 a pagar uma dívida trabalhista de R$ 60,4 mil a um motorista que prestava serviços para ela e para sua família, conforme decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT1) confirmada em segunda instância.
De acordo com informações do TRT, o mérito do caso já foi julgado e a parlamentar só pode recorrer ao TST sobre o valor da indenização. O valor, portanto, ainda pode ser alterado.
De acordo com o juízo, o funcionário não teve a carteira de trabalho assinada e, por isso, deveria ter ganho de causa para receber gratificações como férias, aviso prévio e gratificações natalinas.
A carga horária do funcionário era de cerca de 15h por dia, de acordo com o juiz Pedro Figueiredo Waib, que condenou em primeira instância.
Para ler na íntegra a matéria divulgada no Site Vi o Mundo de 04/01/2018, clique aqui.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

2018: É HORA DO RESGATE


2016 foi o ano da hipocrisia; 2017, o da revelação. Que venha 2018, o ano do resgate


Se 2016 pode ser considerado o ano da hipocrisia, 2017 entrará para a história do Brasil como ano da revelação.
Os moralistas sem moral que em 2016 derrubaram uma presidente honesta foram flagrados em 2017 em atos de corrupção.
Aécio Neves e Michel Temer são os principais exemplos, mas há outros. Eles encerraram 2016 com um discurso de que estavam combatendo os corruptos.
[...]
2017 foi, definitivamente, o ano da revelação.
Os ventos mudaram.
2018 tem tudo para ser o tempo do resgate. O tempo de recuperar aquilo que, na mão grande, foi tirado do povo: a soberania.
Será um ano duro, de lutas, a começar pelo julgamento de Lula, no dia 24 de janeiro.
Mas quem disse que o avanço popular é fácil?
Para ler a íntegra do texto de Joaquim de Carvalho para o DCM, clique aqui.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

UM 2018 PLENO DE TUDO O QUE É BOM


 As redes sociais às vezes nos surpreendem com algo que nos tocam. Mensagens simples podem nos interpelar de forma significativa. Como essa, abaixo, por exemplo, enviada pelo amigo, Paulinho Bizzaria que partilho com os frequentadores do MINASEGERAIS.

Resultado de imagem para saca rolhas


*“Mete o saca rolha”* 

Outro dia estava com meu amigo Omar, num restaurante e vimos um vinho daqueles bons e caros. O garçom logo perguntou se queríamos aquela safra pra acompanhar o pedido e o meu amigo, sem pensar duas vezes, disse *“Mete o saca rolha”*.
Depois de dar boas risadas com aquela expressão, ele me contou que aquela frase servia pra vida. Que tempos atrás tinha perdido um grande amigo que tinha uma grande adega com vinhos caríssimos, e deixava os vinhos lá, sem abrir. Certo dia, morreu num acidente, e a esposa do cara acabou se casando com um outro, mais jovem, que consumiu toda a adega em tempo recorde. Depois disso, ele começou a perceber quantas vezes na vida desperdiçava oportunidades, deixando pra depois. Sendo que o depois pode nem existir. Eu fiquei refletindo sobre isso e hoje quero te perguntar: - *“Quantas oportunidades você desperdiça, se preparando, sem entrar em campo? Quantas roupas deixou de usar esperando a ocasião especial? Quantas atitudes deixou de tomar, acreditando que sempre existiria ‘a semana que vem’, adiando seus sonhos?”
Por isso, a dica é *‘mete o saca rolha’*. Abra a garrafa de sonhos, tome as atitudes que precisa tomar, pare de procrastinar achando que a vida é eterna e que vai ter todo o tempo do mundo pra tentar, cair, errar e seguir em frente.
“Mete o saca rolha” pode ser uma filosofia de vida. Pra ele, que diz que nunca viu carro forte seguindo carro funerário, é uma frase inspiradora.
Não deixe os bons vinhos pra amanhã. Não espere pra agir se a hora é agora e não desperdice seu tempo acreditando que amanhã dá pra fazer diferente. O que a gente tem é hoje. Então, *”mete o saca rolha”* e segue em frente!!!!
Desejo a você um *excelente vinho* para 2018!!!
(Autoria não identificada)

domingo, 24 de dezembro de 2017

OPORTUNISMOS


Milagres & Mazelas


Eugênio Magno
Comunicólogo e Educador


Esse artigo também poderia ter como títulos: Exposição excessiva, ou O que já não era bom, pode ficar pior, entre outros. Optei por Milagres & mazelas, por ser menos deletério, mais respeitoso, e porque não dizer, mais justo. Afinal, os tratamentos dados aos dois temas abordados, podem ser entendidos como contraditórios ou paradoxais, a gosto do freguês.
O botox e a propaganda encaixam perfeitamente nesse paradigma. Tanto uma como a outra ferramenta, mesmo que manipulem a realidade de forma deliberada, podem criar o belo. Ainda que um belo fugaz e, consciente ou inconscientemente, enganoso. Mas como a diferença entre remédio e veneno está na dose, o excesso, prática recorrente dos tempos atuais, em que tudo se encontra ao alcance de nossas mãos tem contribuído enormemente para o desproporcional, o exagerado, o feio, o fake e as aberrações.
A despeito de belezas que realçam seu frescor e graciosidade, com pequenas intervenções, é grande o número de atores e atrizes talentosos que anularam totalmente sua capacidade de nos convencer de verdades cênicas por conta de preenchimentos e “esticamentos” que impedem o desenhar da expressão facial de suas emoções. Sem um close ou contatos presenciais, apresentadores de TV e outras celebridades poderiam muito bem nos convencer de que encontraram o elixir da eterna juventude. Mas suas plásticas, maquiagens e “botocagens” não são capazes de os igualarem aos seres virtuais que habitam o mundo audiovisual. Há pouco tempo, em um velório, não reconheci uma senhora, amiga da família que, delicadamente me chamava pelo nome. Seus lábios e sua boca ficaram irreconhecíveis, cresceram e não combinavam com olhos, bochechas, orelhas e pescoço. Recentemente, andando por um shopping da zona sul de BH me deparei com grande quantidade dessa espécie que exagera na dose, vítima do efeito contrário e das constantes “reparações” que causam ainda mais deformações.
E de deformação em deformação, as pessoas, as instituições e esse modelo agonizante de organização econômica e social que, desesperadamente, busca se reinventar é vilipendiado pelos oportunistas que, em busca da piada fácil e do trocadilho barato, expõem organizações ao ridículo. As Lojas Marisa erraram feio se aproveitando da morte de Marisa Letícia, esposa do ex-presidente Lula, para divulgar a sua marca. E agora a agência Binder coloca as Óticas do Povo numa situação no mínimo, discutível, ao homenagear(?) o juiz federal Sérgio Moro, num comercial de TV que repete “Moro”, “Moro” com exclamações, interrogações, reticências e circunflexos no último o, brincando com a antiga gíria “Morou!?” que, por acaso tem u no final, dando ao juiz ainda mais exposição.

Será que tudo é apenas uma infame brincadeira, ou os marqueteiros de Sérgio Moro já estão em ação e dispararam a campanha presidencial antecipada do juiz, por meio de uma aliança com a Binder e as Óticas do Povo?
Este artigo também foi publicado no jornal O Tempo, de 21/12/2017, pág. 19

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

DESMONTE DO ESTADO SOCIAL DE DIREITO NA AMÉRICA LATINA


Chega de autoflagelação, 
lute como um cidadão do mundo!



Na manhã desta terça-feira (19/12) os deputados da Argentina aprovaram a reforma da Previdência por 128 votos a favor e 116 contrários.
Para obter maioria o presidente Mauricio Macri contou inclusive com votos de peronistas, cujo Partido Justicialista não possui um claro direcionamento político, congregando desde setores de esquerda a setores de direita dentro do mesmo movimento.
Esta aprovação ocorreu mesmo sob forte resistência dos sindicatos e da classe trabalhadora argentina, que promoveram manifestações massivas nos últimos dias e uma greve geral.
A brutal repressão policial resultou em pelo menos 162 feridos, entre manifestantes e policiais.
Nos últimos dias vimos no Brasil uma falsa polêmica a respeito disto. Segundo a Revista Fórum e outros veículos, supostamente um dos gritos que estaria sendo dito pelos argentinos ao afirmarem que barrariam a reforma seria “isso aqui não é o Brasil”.
A informação é questionada por muitos militantes que estiveram presentes aos atos.
O fato é que, sendo verdadeira ou não, a informação se espalhou rapidamente pelas redes sociais brasileiras.
A repercussão não poderia ter sido pior.
Boa parte da esquerda brasileira se lançou em uma catarse de autoflagelação cuja mensagem equivocada era que os argentinos sim sabem resistir, enquanto o povo brasileiro, como sempre, estaria passivo e inerte.
Esta visão depreciativa do povo brasileiro nada mais é do que o velho complexo de vira-latas, que sempre serviu às elites nacionais que se identificam muito mais com tudo o que não é brasileiro.
Tentam apagar nossas lutas ao longo dos séculos, apresentam nossas vitórias como meras benesses gentilmente cedidas pelos governos ao mesmo tempo em que difamam as nossas mobilizações e organizações.
O objetivo é claro: oprimir subjetivamente a mentalidade popular, para que o brasileiro acredite que é realmente um povo inferior, incapaz de lutar, de se organizar, de se construir enquanto alternativa de poder e de sociedade.
Atacam nossa cultura, nossa estética, nossas origens e nossa história.
Melhor seria termos nascido em qualquer outro lugar, mas infelizmente fomos amaldiçoados ao nascer nestes tristes trópicos não é mesmo?
A esta mensagem devemos dar um sonoro NÃO!
Lute como um argentino e lute como um brasileiro, como um uruguaio, como um boliviano, como um venezuelano e como um cubano!
Para ler a matéria completa de Yuri soares, clique aqui.
(Fonte: Site Vi o Mundo)

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

PAULO FREIRE É PATRONO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E PONTO (.)


Vitória contra o obscurantismo: Paulo Freire permanece Patrono da Educação brasileira



A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado aprovou, nesta quinta-feira (14), o relatório apresentado pela senadora Fátima Bezerra para manutenção do título de “Patrono da Educação Brasileira” de Paulo Freire, rejeitando, assim, a Sugestão Legislativa 47/2017, apresentada por uma cidadã na página do E-Cidadania no portal do Senado.
Em sua justificativa, Fátima afirmou que a sugestão é derivada do processo de fascistização de setores da sociedade brasileira, marcado pela intolerância, pela falta de alteridade e por variadas formas de preconceito, discriminação e opressão.
“A proposta integra um movimento que, sob o pretexto de combater a doutrinação ideológica dos estudantes, busca abolir o pensamento crítico, a problematização da realidade. A sugestão é derivada, sobretudo, da ausência de conhecimento sobre o imenso legado de Paulo Freire para o Brasil e para o mundo. Estamos falando de homem que, pela sua obra, sua trajetória, é considerado um dos maiores filósofos, pensadores e educadores do século 20”, descreve.
Para ler na íntegra a matéria publicada no Vi o mundo, clique aqui.

domingo, 10 de dezembro de 2017

BARRACO NA CONVENÇÃO NACIONAL DO PSDB



PSDB chuta Aécio, que nem saiu na foto e fugiu pela porta dos fundos; Alckmin assume partido e militantes brigam, 
teve até cadeiradas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi eleito presidente do PSDB neste sábado (9) em convenção do partido em Brasília. Ele ocupará o cargo pelos próximos dois anos. 
O primeiro vice-presidente presidente será Marconi Perillo e o segundo, Ricardo Tripoli, aliado de Tasso.
Com a chegada à presidência da sigla, Alckmin começa a erguer sua candidatura presidencial.
Em seu primeiro discurso no posto, como antecipou a Folha, o paulista fez críticas pesadas ao PT e afirmou que Lula, seu possível adversário nas urnas em 2018, quer “voltar à cena do crime”.
Para ler e ver mais baixarias da convenção tucana, clique aqui.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ELEIÇÕES 2018


Datafolha mostra Brasil fazendo as pazes com o PT


Como o Blog da Cidadania previu no post IBOPE sugere que LULA é favorito para 2018 (de 1/12), Jair Bolsonaro estancou. Ele continua no patamar de 17 ou 18 por cento no primeiro turno e empacou contra Lula em 33% no segundo turno, enquanto o petista cresceu 4 pontos percentuais e chega à metade dos votos mais um.
O percentual de brasileiros que consideram o governo Dilma Rousseff melhor que o de Temer disparou. De acordo com o levantamento, agora 62% dos brasileiros consideram que o governo Dilma foi melhor do que o de Temer. Apenas 13% avaliam Temer melhor que a ex-presidente, e 23% dizem que não há diferença entre eles.
Esse dado é importantíssimo porque resgata a imagem do PT e a indicação da ex-presidente por Lula.
Os novos indicadores econômicos festejados pelo governo e pela grande imprensa como sinal de que a economia está melhorando não entusiasmam a população, conforme o Datafolha. Cresceu de 56% para 60% os que esperam que a economia vá piorar e também subiu de 26% para 31% o índice dos que consideram a ameaça de perder o emprego como a coisa que mais lhes dá medo.
Outra notícia estupenda é a de que 50% dos brasileiros votarão ou poderão votar em quem Lula indicar. Ou seja, o poder de transferência de voto de Lula só aumenta e deverá aumentar mais conforme as “reformas” terríveis de Temer forem empobrecendo os brasileiros, já que a tal “recuperação do emprego” de que falam é, na verdade, queda do emprego com carteira assinada e aumento do emprego informal, ou seja, precário.
Você pode acessar a matéria completa do Blog da Cidadania, clicando aqui.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

REFORMA DA PREVIDÊNCIA É UMA PUNHALADA NO PEITO DO TRABALHADOR BRASILEIRO


Reforma da Previdência: Presidenta da CUT/MG e economista do Dieese desmascaram ponto a ponto


Beatriz Cerqueira, Presidenta da CUT-MG e coordenadora geral do Sind-UTE/MG, e o economista Fred Melo, do Dieese, em Belo Horizonte. Para assistir o vídeo no qual a questão é discutida, clique aqui.


DICA DE CINEMA




O filme, On Yoga: arquitetura da paz, é o que estou recomendando para estes tempos onde a esperança, parece ter dobrado a esquina.
Em cartaz no Cine Belas Artes, às 14h10, o filme do diretor brasileiro Heitor Dhalia é um diálogo fotográfico com os clics de Michael O'Neill que oportuniza a possibilidade de conhecer grandes mestres e gurus da yoga e da meditação. O documentário, que tem menos de uma hora e meia de duração é uma produção Brasil/Índia/EUA/China.

PROPAGANDA DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA FOI SUSPENSA


Justiça determina que governo Temer suspenda propaganda 

da reforma da Previdência



Uma decisão liminar da 14ª Vara da Justiça Federal pediu a suspensão imediata, nesta quinta-feira (30), da campanha publicitária "Combates aos privilégios" do governo federal sobre a Reforma da Previdência.
Em caso de descumprimento da medida, o governo terá que pagar multa diária de R$50 mil. A ação foi movida pela Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip), e pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco).
Para o presidente da Anfip, Floriano Martins de Sá Neto, a honra dos servidores foi atingida pela propaganda do governo: "Nós nos sentimos na obrigação moral de fazer alguma coisa para reparar o dano que está acontecendo por conta da maneira como o governo está explorando a imagem dos servidores públicos visando facilitar o caminho para a aprovação da reforma da Previdência".
As peças do governo, veiculadas em mídias impressas, rádios e televisão, além de paineis de mídias instalados em aeroportos, por exemplo, afirma que a proposta do governo é cortar privilégios.
Para acessar a matéria completa de Rute Pina, para o Brasil de Fato, de 30/11/2017, clique aqui.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

QUAL É O LIMITE PARA A IMPUNIDADE E A MANIPULAÇÃO (???)


Vídeo da prisão: Globo e promotores do Rio se associaram para a prática de crime


por Joaquim de Carvalho
do DCM



Na semana passada, ao defender no Supremo Tribunal Federal, a anulação da sessão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que tirou da cadeia três deputados estaduais, a procuradora-geral Raquel Dodge disse que o Estado se tornou uma terra sem lei.
Dodge não está totalmente errada. Como mostrou o Fantástico deste domingo, as leis estão sendo desrepeitadas em horário nobre, diante de grande audiência, no Estado do Rio de Janeiro.
É o que aconteceu no caso em que o Ministério Público do Estado gravou e divulgou as imagens de políticos e empresários presos, em situações que se justificam apenas pela vocação sensacionalista da emissora.
Qual a importância de mostrar que a ex-governadora Rosinha Matheus e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo dividem a mesma cela e não ficam perto uma da outra porque seriam inimigas?
Qual o sentido de mostrar que o milionário Jacob Barata Filho come queijos importados ou que Sérgio Cabral incorporou à refeição camarões que mandou trazer de casa?
O preso pode se alimentar de comida de fora do presídio, desde que passe por inspeção. É o chamado jumbo, que toda família leva para parente preso, seja rico ou pobre. Se rico, como Barata, natural que leve algo acima da média.
A comida dos presos é rejeitada por todos que podem comer algo melhor.
Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

FALTA INFRAESTRUTURA


Apagões do Estado*


Eugênio Magno
Comunicólogo e Educador


      Antes do anúncio do leilão das quatro hidrelétricas que eram operadas pela Cemig, o fornecimento de energia em várias cidades mineiras já dava sinais de comprometimento. O que não se sabe é se o comprometimento é real ou fake provocado por estrategistas para justificar privatizações e reajustes futuros.
           Não são poucos os piques de energia, apagões e interrupções, desculpados como programados, mas sem aviso prévio. Isso e mais o recebimento de carga e voltagem abaixo do contratado, perda de alimentos em nossas geladeiras e freezers, prejuízos por ficarmos impedidos de trabalhar quando nossos equipamentos de produção são alimentados por energia elétrica e descumprimento de prazos por falta de telefonia e internet. Sem contar os riscos que corremos ao andar por ruas com lâmpadas queimadas. Enquanto isso, a empresa gasta milhões em propaganda para solicitar aos usuários de seus serviços que se cadastrem para receber o comunicado que ficarão sem energia em determinados períodos. Pra que isso, se todos os clientes já são cadastrados para a cobrança das altas tarifas, acrescidas de reajustes, bandeiras vermelhas e mais um monte de penduricalhos que só oneram o consumidor doméstico?
O slogan da Companhia Energética de Minas Gerais que já foi A melhor energia do Brasil, por muitos anos, mudou para Nossa energia, sua força, mas há tempos que a contrapropaganda afirma que a Cemig tem a Energia mais cara do Brasil. Sua qualidade não justifica seu custo e nós, mineiros, não podemos mais nos ufanar de ter a Cemig como patrimônio de nosso Estado, como não temos mais a Telemig, dentre outras empresas.
As especulações em torno de uma possível privatização da Cemig e também da Copasa, orquestrada pela mídia privatista, alardeia a valorização das ações das empresas no mercado financeiro, esse não-lugar improdutivo e volátil que vive de rumores e humores fabricados pela indústria da comunicação. Para justificar a inexistência de investimentos em infraestrutura e a negligência com nossos mananciais, rios e reservatórios, Cemig e Copasa estão sempre às voltas com números de pesquisas inacessíveis, atribuindo culpa à estiagem, para encobrir má gestão e achacar o consumidor residencial com altas tarifas e ainda exercer pressão para que se reduza o consumo, enquanto fornecem serviços essenciais à vida humana de forma descuidada e desrespeitosa.
No caso do Brasil e de Minas, em particular, em que o maior percentual de geração de energia vem da água, essa dobradinha Cemig e Copasa deveria nos favorecer. Temos potencial para ser um dos maiores fornecedores de água do planeta. Poderíamos sim ter a melhor energia elétrica do Brasil e, claro, a água e a energia mais baratas do mundo e não falta de água que gera falta de energia o que também impede que a água captada seja bombeada dos reservatórios até nossas caixas d’água.

E a culpa, definitivamente, não é de São Pedro.

(* Este artigo  também foi publicado na página de Opinião do jornal O Tempo, de 15/11/2017)

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

PARTIDOS E PARLAMENTARES À VENDA: QUEM DÁ MAIS!?


Temer condiciona troca ministerial 
à votação da Reforma da Previdência


O presidente Michel Temer decidiu condicionar a nova distribuição de cadeiras nos ministérios aos votos dados pelos partidos aliados para a reforma da Previdência. Empenhado em aprovar na Câmara mudanças no regime de aposentadoria até meados de dezembro, Temer quer deixar as trocas na equipe acertadas, mas só entregar efetivamente cargos para o Centrão ou outras siglas após conferir o painel de votação.
O governo aposta suas fichas na aprovação da proposta, mesmo que seja modificada. Considerada por setores econômicos a mudança estrutural mais importante, a reforma da Previdência enfrenta forte resistência no Congresso. O texto inicial, mais ambicioso, precisou ser desidratado. Atualmente, a negociação se concentra em fixar idade mínima para a aposentadoria e unificar as regras do funcionalismo público com as da iniciativa privada.
A saída do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), abriu caminho para o presidente acelerar a reforma ministerial. Araújo pediu demissão anteontem em meio ao racha do PSDB, que tende a desembarcar do governo. Os tucanos controlam outras três pastas (Secretaria de Governo, Relações Exteriores e Direitos Humanos), mas todos os ministros deverão deixar a equipe. 
Para continuar lendo a matéria, publicada hoje, quarta, dia 15.11.17, no jornal O Tempo, clique aqui.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

O POVO BRASILEIRO VAI ÀS RUAS CONTRA A REFORMA TRABALHISTA


Centrais sindicais convocam atos em todo país 
contra reforma trabalhista

(Foto: Mídia Ninja)

Às vésperas da data em que as novas regras trabalhistas entram em vigor, as centrais sindicais convocam manifestações contra as reformas da Previdência e trabalhista. Protestos vão ocorrer nesta sexta-feira (10) em pelo menos 24 capitais e no Distrito Federal.
No próximo sábado (11), a reforma trabalhista, sancionada em julho pelo presidente golpista, Michel Temer (PMDB) passa a valer.
A medida altera mais de cem pontos da CLT, lei que regulamenta as relações trabalhistas no Brasil.
Um levantamento feito pela CUT/Vox Populi, em junho, aponta que as reformas trabalhista e da Previdência são vistas de forma negativa por 70% dos trabalhadores brasileiros.
O objetivo das entidades também é mobilizar os trabalhadores em torno da reforma da Previdência, que ainda está em tramitação no Congresso Nacional.
Além das marchas, estão previstas assembleias e interrupção de atividades das empresas por períodos curtos, de até uma hora.
Em Belo Horizonte o ato acontece a partir das nove da manhã, na Praça da Estação.
Para ter acesso a agenda dos atos completinha, por estado, clique aqui.

sábado, 4 de novembro de 2017

ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO ATRAVÉS DA COMUNICAÇÃO





O papel da comunicação na transfiguração de uma sociedade através da influência nos media, controlada e controlados sabe-se lá por quem! É um pouco longo mas vale a pena ler e tentar chegar a algumas conclusões!


1- A ESTRATÉGIA DA DISTRACÇÃO.
O elemento primordial do controle social é a estratégia da distracção que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distracções e de informações insignificantes. A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir o povo de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área das ciências, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à quinta como os outros animais (citação do texto ‘Armas silenciosas para guerras tranquilas’)”.
2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES.
Este método também é chamado “problema-reacção-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reacção no público, a fim de que este tenha a percepção que participou nas medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público exija novas leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou ainda: criar uma crise económica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.
3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO.
Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, durante anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconómicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários baixíssimos, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.
4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO.
Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é aplicado imediatamente. Segundo, porque o público – a massa – tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá vir a ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia da mudança e de aceitá-la com resignação quando chegar o momento.
5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO SE DE CRIANÇAS SE TRATASSEM.
A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entoação particularmente infantis, muitas vezes próximos da debilidade mental, como se cada espectador fosse uma criança de idade reduzida ou um deficiente mental. Quanto mais se pretende enganar ao espectador, mais se tende a adoptar um tom infantilizante. Porquê? “Se você se dirigir a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, então, em razão da sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a dar uma resposta ou reacção também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”.
6- UTILIZAR MUITO MAIS O ASPECTO EMOCIONAL DO QUE A REFLEXÃO.
Fazer uso do discurso emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e pôr fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para incutir ideias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos…
7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE.
Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para o seu controle e escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores e as classes sociais superiores seja e permaneça impossível de eliminar (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranquilas’)”.
8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE.
Promover no público a ideia de que é moda o facto de se ser estúpido, vulgar e inculto…
9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE.
Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência da sua inteligência, de suas capacidades, ou do seu esforço. Assim, ao invés de revoltar-se contra o sistema económico, o indivíduo autocritica-se e culpabiliza-se, o que gera um estado depressivo, do qual um dos seus efeitos mais comuns, é a inibição da acção. E, sem acção, não há revolução!
10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM.
No decorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado um crescente afastamento entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos sobre si próprios.
Citando o autor noutros documentos....
Quanto mais você pode aumentar o medo das drogas e do crime , imigrantes e estrangeiros , mais você controla todas as pessoas.
Noam Chomsky
Todo o mundo está preocupado em parar o terrorismo. Bem, há uma maneira muito fácil: parar de participar dele.
Noam Chomsky
Se você não gosta do que alguém tem a dizer , discuta com eles .
Noam Chomsky
Se as leis de Nuremberg fossem aplicadas , em seguida, todos os presidentes americanos do pós-guerra teriam sido enforcados.
Noam Chomsky
A Bíblia é um dos livros mais genocidas da história.
Noam Chomsky
Se escolhermos , podemos viver num mundo de ilusão reconfortante.
Noam Chomsky
Se houvesse um observador em Marte, eles provavelmente se surpreenderiam que tenhamos sobrevivido tanto tempo.
Noam Chomsky
Nesta fase , possivelmente terminal da existência humana , a democracia e a liberdade são mais do que ideais para ser valorizados, podem ser essenciais para a sobrevivência.
Noam Chomsky
Há propaganda maciça para que todos possam consumir. O consumo é bom para os lucros e o consumo é bom para o establishment político .
Noam Chomsky
Estados não são agentes morais , as pessoas são e podem impor padrões morais em instituições poderosas .
Noam Chomsky
Matança desenfreada de civis inocentes é terrorismo , não uma guerra contra o terrorismo.
Noam Chomsky
A educação deve proporcionar as oportunidades de auto-realização , fornecer um ambiente rico e desafiador para o indivíduo explorar , na sua própria maneira.
Noam Chomsky
Estabilidade foi quando o Reino Unido e os EUA invadiram um país e colocaram o regime de sua escolha.
Noam Chomsky
A internet pode ser um passo muito positivo para a educação , organização e participação em uma sociedade significativa.
Noam Chomsky
Ilimitado crescimento econômico tem a qualidade maravilhosa de acalmar o descontentamento , fato que não passou despercebido entre os economistas liberais.
Noam Chomsky
Em muitos aspectos, os Estados Unidos é um grande país. A liberdade de expressão é protegida mais do que em qualquer outro país e é também uma sociedade muito livre .
Noam Chomsky
A linguagem humana parece ser um fenômeno único , sem analógico significativo no mundo animal .
Noam Chomsky
Eu não quero seguidores.
Noam Chomsky
Eu não tenho nenhuma habilidade oratória . Mas eu não iria usá-la se eu tivesse.
Noam Chomsky
A opinião pública pode ser influente , a mídia pode ser influente.
Noam Chomsky
Os seres humanos têm certas propriedades e características que são intrínsecas a eles , assim como qualquer outro organismo faz. Essa é a natureza humana.
Noam Chomsky
Nos Estados Unidos, o professor fala com o mecânico . Eles estão na mesma categoria.
Noam Chomsky
O governo de Israel não gosta do tipo de coisas que eu digo , o que os coloca na mesma categoria que qualquer outro governo no mundo.
Noam Chomsky
O “movimento anti- globalização” é o mais importante defensor da globalização, mas no interesse do povo, não nas concentrações de poder de estado privado.
Noam Chomsky
Como ferramenta de pesquisa , a internet é inestimável.
Noam Chomsky
Os governos não controlam as pessoas como antigamente .
Noam Chomsky
Eu não gosto do rótulo de intelectual.
Noam Chomsky
Formação do Estado tem sido um projecto brutal , com muitas consequências horríveis . Mas os resultados existem e os seus aspectos perniciosos devem ser superados .
Noam Chomsky
Por 500 anos, desde que os exploradores europeus chegaram , os países latino-americanos foram separados um do outro . Eles tinham relações muito limitadas. A integração é um pré-requisito para a independência.
Noam Chomsky
(Fonte: http://emrc-vida.blogspot.com.br/2014/01/noam-chomsky-armas-silenciosas-para.html)